5.3.17

"C'est entre nous...", de michel deguy (tradução)

Entre nós
O ar entre as mãos brinda
E a mão entre os brindes
E o brinde puro intervalo
Nada com nada fingindo
Parecer a bela participação

C'est entre nous
L’air entre les mains salut
Et la main entre les saluts
Et le salut par intervalle
Rien avec rien jouant à
S’envoyer la belle apparition

Oüi dire (1966)

26.12.16

o aborto, de anne sexton (tradução)

Francesca Woodman

Alguém que deveria ter nascido
se foi.

Bem quando a terra franziu sua boca,
cada broto saindo da sua semente,
troquei meus sapatos e então dirigi para o sul.

Passadas as Blue Mountains, onde a
Pensilvânia infinitamente se curva,
vestindo, como um gato desenhado, seu pêlo verde,

e suas estradas fundas como um tanque cinza;
onde, na verdade, maldosamente o solo abre
um buraco negro no qual o carvão foi derramado,

Alguém que deveria ter nascido
se foi.

a grama cheia e resistente como cebolinha,
e me perguntando quando o solo vai rachar,
e me perguntando como uma coisa frágil sobrevive;

lá na Pensilvânia conheci um homenzinho,
não Rumpelstiltskin, nem nada, nem nada…
ele tomou a completude do amor quando começa.

Voltando ao norte, até o céu mingou
como uma janela alta pra lugar algum.
A estrada era lisa como uma folha de lata.

Alguém que deveria ter nascido
se foi.

Sim, mulher, essa lógica te leva a
perder sem a morte. Diga logo o que você quer dizer,
sua covarde… esse bebê que eu sangrei.

---

The Abortion

Somebody who should have been born/ is gone. // Just as the earth puckered its mouth, / each bud puffing out from its knot, / I changed my shoes, and then drove south. // Up past the Blue Mountains, where/ Pennsylvania humps on endlessly, / wearing, like a crayoned cat, its green hair, // its roads sunken in like a gray washboard; / where, in truth, the ground cracks evilly, / a dark socket from which the coal has poured, // Somebody who should have been born/ is gone. // the grass as bristly and stout as chives, / and me wondering when the ground would break, / and me wondering how anything fragile survives; // up in Pennsylvania, I met a little man, / not Rumpelstiltskin, at all, at all... / he took the fullness that love began. // Returning north, even the sky grew thin/ like a high window looking nowhere. / The road was as flat as a sheet of tin. // Somebody who should have been born/ is gone. // Yes, woman, such logic will lead/ to loss without death. Or say what you meant, / you coward... this baby that I bleed.